sábado, março 31, 2012

You must remember this

70 anos de um dos meus filmes preferidos, se não o primeiro mesmo! Filmado e lançado em pleno período da Segunda Guerra e com um orçamento baixo, jamais se  imaginaria converter-se num dos filmes mais cults da história do cinema. Se não, o mais cult.
Vi pela primeira vez quando guria ainda, pela TV e amei imediatamente, desde criança amava essas coisas antigas, não sei explicar. Tem pessoas que dizem não suportar ver filmes em preto e branco, antigos, coisas assim, mas tudo é uma questão de preferência, de amar, de ser algo que vem de ti e não tem como saber o porquê.  Ao que interessa. O filme:

Casablanca, tem esse nome porque ficticiamente se passa nessa cidade do Marrocos, mas na verdade foi todo feito em estúdios, com exceção de uma única cena.. A Warner Bros. pegou "empre$tado" da Selznick Productions a lindíssima e atriz do momento Ingrid Bergman pra viver Ilsa Lazlo (née Lund) e pra fazer o par e com muita química Humphrey Bogart. Eles afirmavam, que não sabiam nem das cenas do dia seguinte, muito menos do final,  surpreendente por sinal. Tudo começa onde? Em Paris, claro, de lá em plena invasão dos alemãos (que usavam cinza e ela azul) programaram a fuga pro Marrocos, mas ela não aparece na hora da partida. Pra não prolongar muito o post, segue a sinopse a seguir.
Sinopse da Wikipedia, viu  Dilberto?  ( Here’s looking at you, kid!)
 
Durante a Segunda Guerra Mundial, Rick Blaine (Humphrey Bogart), um americano amargo e cínico , expatriado de causas desconhecidas, administra a casa noturna mais popular em Casablanca (Marrocos), o "Café de Rick" . Este também é uma casa de apostas que atrai uma clientela diversificada: as pessoas da França de Vichy , os funcionários da Alemanha Nazi, refugiados , políticos e ladrões.
Enquanto isso o motivo de amargura de Rick chega de volta à sua vida. É a sua ex-amante, Ilsa Lund (Ingrid Bergman), que havia deixado Paris sem explicação e que com seu marido Victor Laszlo (Paul Henreid), entra no Café naquela noite com objetivo de comprar os passes. Laszlo é um renomado líder da resistência tcheca que enfrentava os nazistas. O casal precisava das cartas para deixar Casablanca e ir para os Estados Unidos, onde ele poderia continuar seu trabalho. Na noite seguinte, Laszlo, suspeitando que Rick tem as cartas, faz diversas perguntas à ele, mas Rick se recusa a dar os passes, pedindo-lhe para perguntar a sua esposa.
Rick está irritado com Ilsa, mas esta noite, ela o confronta uma vez que o café tenha sido abandonado. Quando ele se recusa a entregar os documentos, ela o ameaça com uma arma, mas era incapaz de disparar, ela confessa que ainda o ama e diz que quando conheceu e se apaixonou por ele em Paris, pensou que seu marido havia sido morto em um campo de concentração nazista. Mas quando ele descobriu que Laszlo tinha realmente conseguido escapar, ela o abandona deixando Rick sem explicação e voltando para o marido...
O desenvolvimento do filme centra-se no conflito de Rick, nas palavras de uma personagem, o amor e a virtude. Ele deve escolher entre sua sua amada Ilsa fazendo a coisa certa.
Considerado como um dos maiores filmes da história do cinema americano.
Ganhou vários Oscar da Academia, incluindo o de melhor filme em 1943 .
Casablanca teve uma grande estréia, mas não espetacular, entretanto, ganhou popularidade com o passar do tempo e esteve sempre nas listas dos dez melhores filmes.
A crítica elogiou a performance carismática de Bogart e Bergman e a química entre eles, junto à profundidade das caracterizações , a intensidade da direção , a sagacidade do roteiro e do impacto emocional do trabalho como um todo. A própria Ingrid não o considerava seu trabalho mais sublime, porém que a imortalizou, é notório. (olha eu jogando com as palavras, nome dos filmes)
Frases famosas:
"Eu lembro de cada detalhe. Os alemães vestiam cinza, você vestia azul."
"Isso é um tiro de canhão ou meu ♥ batendo?"
"De todos os bares, de todas as cidades, no mundo inteiro, ela tinha que entrar justamente no meu."
"Louis, acho que este é o começo de uma bela amizade."
"Rick : Por que você tem que vir para Casablanca? Há outros lugares.
Ilsa : Eu não teria vindo se eu soubesse que você estava aqui. Acredite em mim Rick, é verdade eu não sabia .
[para Ilsa] fui informado de que você era a mulher mais bonita de sempre a visitar Casablanca. Esse foi um eufemismo * bruto *.
"Eu não posso lutar mais. Eu fugi de você uma vez. Eu não posso fazê-lo novamente. Oh, eu não sei o que é certo por mais tempo. Você tem que pensar por nós dois. Para todos nós."
"Nós teremos sempre Paris."

MITO: "Play it again, Sam." A frase é uma das mais célebres da história do cinema, embora nunca seja proferida ao longo do filme. Tornou-se numa referencia imediata para a melodia "As Time Goes By",
"Play it again, Sam" – Casablanca (1942). A frase verdadeira é " Play it, Sam (toque aquela, Sam). Mas a distorcida ficou tão famosa que até ganhou um filme de Woody Allen em homenagem em 1972.

Cena que me fez chorar:
Que cena linda e triste! A que a chuva borra a carta dela dando explicações do motivo de sua desistência da fuga de Paris  pra Casablancae. O desespero por parte de Rick, diante da incredulidade do que lia, essa cena me faz chorar. 



 
Figurino favorito que a personagem de Ingrid usa no filme:
 


15 comentários:

Lulu on the Sky® disse...

Esse filme é lindo. Depois de muito tempo eu assisti quando comprei o DVD. Sem contar que o Humphrey Bogart era super charmoso.
Big Beijos

Ruby disse...

É verdade, Lulu. Super charmoso, acredito que um dos motivos do sucesso é justamente a química do casal protagonista.

E esse blogger tá louco! Faz das palavras links idiotas que vc nem sabe o que é. E reduz e normaliza a fonte, deixando em tamanhos diferentes.

Andy Santana disse...

Vc acredita que nunca assisti?
beijos

Dama de Cinzas disse...

Por incrível que pareça ainda não vi esse filme que me foi tão bem recomendado por várias pessoas. Mas é pura falta de oportunidade ou lembrança de procurar. Porque eu amo filmes de todos os jeitos, esses antigos em preto e branco acho um charme só. Ver como o cinema era feito naquela época e ver que com poucos recursos eles faziam filmes maravilhosos.

Beijocas

Pedrita disse...

ah, o próximo filme q vou mencionar o protagonista assiste declamando todas as falas, é hilário. beijos, pedrita

Iza disse...

Com certeza é um ótimo filme. Adoro Ingrid Bergman. Adorei seu super post sobre o filme, tá ótimo. Beijos ;)

Dayane Pereira disse...

Amoo resenhas de filmes bem completas!
Confesso que vi esse filme a tanto tempo que há muita coisa meeesmo que não lembro mais! Preciso revê-lo, hoje com outros olhos, com certeza!

Bjoss!

Mary disse...

casablanca, vi o anuncio do box comemorativo dos 70 anos do filme, comprei de "e o vento levou", quem dera poder comprar esse tb.. acredita que nunca assisti todo filme?? apenas alguns trechos, mas já li tanto que não tem como não gostar.. quem sabe compro o box mais adiante, assim além do filme posso guardar os extras.. eu amoro filmes antigos, sei lá, hj em dia não se fazem mais filmes tão bons.. bjos mil e ótima semana amiga..

Carmen disse...

Esse filme é lindo e seu texto ficou ótimo, uma delícia de ler! Bjs

Jefferson Clayton Vendrame disse...

Olá, acabei de conhecer seu Blog, Parabéns, é fantástico. Já estou seguindo.

Uma palavra para Casablanca: TUDO.

Grande Abraço....

2edoissao5 disse...

amo filmes antigos, é o preferido da minha mãe, mas nunca assisti todo, acho que já o vi todo por partes…um pecado!

disse...

Casablanca também é um dos meus favoritos. Nos Estados Unidos, para comemorar os 70 anos do filme, alguns cinemas o exibiram. Eu ia adorar ver Rick e Ilsa na tela grande!
Beijos!

Dilberto L. Rosa disse...

Eta, virei o chato da vez, ré, ré: a intenção era resguardar tua elegância e não misturar o que escreves com algo que alguém escreveu, noutro tom... Enfim, sempre bem melhor destacar que aquilo não é seu - especialmente alguém elegante e inteligente como você!

Quanto ao filme: não só você, como a grande maioria dos cinéfilos é unânime quanto ao clássico "Casablanca" ser um dos filmes mais completos de todos os tempos! O roteiro impecável reúne vários gêneros e estilos - o que, complementado pela direção perfeita do mestre Curtis e pelo elenco em completa sintonia, só podia mesmo gerar uma obra-prima!

Curioso que eu desconhecia este aniversário: tanto que postei somente sobre os 40 anos de "Poderoso Chefão" - mais do que parabéns pela grande postagem!

Abração!

Rubi disse...

Um verdadeiro/inesquecível clássico. Trilha sonora maravillhosa, história fantástica, bons atores e frases marcantes.

Esse é o tipo de filme que não envelhece nunca.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Que dupla! Amo os dois. Mas o filme é recheado de grandes atores... Rains, Veidt, Lorre... Belo post, Ruby.

http://cinema-filmeseseriados.blogspot.com.br/