sábado, novembro 15, 2014

Arte

Descobri o instagram Iraville por causa dessa imagem:
A linda Ingrid Bergman em "doodle". 
Achei super fofo e fui explorar o trabalho dessa ilustradora alemã chamada Ira Sluyterman van Langeweyde. Ela usa desde crayon a nanquim e outros materiais pra desenhar. Ela e as ilustrações que viraram adesivos já.
Ela também tem um Tumblr e as artes que a menina faz são realmente lindas. Olha aí:
Acho que ela às vezes desenha inspirada na moda
Em séries de que é fã, tipo os agentes de Arquivo X. Lindo, não?

sábado, novembro 01, 2014

Acabou!

Tudo que desejo é que novembro restitua o que outubro me roubou. 
Quero esquecer para sempre o quão horrível esse mês foi!  Acidente, traumas, lágrimas, perda de peso, paz e alegria de viver mesmo tendo sobrevivido. Claro, que sou muito grata a Deus por ter sobrevivido e pela força que tenho recebido vinda dele pra superar tudo o que passou, mas outubro assim, nunca mais, porque foi o mês mais difícil do ano pra mim!! Que novembro seja bom pra todos nós!


segunda-feira, outubro 27, 2014

Retrô

Que eu amo o retrô, o vintage não é segredo nenhum. A década da virada na moda foi a dos anos de 1960. Quando se fala em anos 60s e moda, já se pensa em vestidos de bolinhas e saias armadas, mas, claro, uma década tem dez anos e nesse tempo muda muita coisas.
A segunda metade dessa década trouxe mudanças significativas, absolutamente tudo mudou e até seu término o que vemos é mais ou menos isso:
Street style: Cores fortes. Sapatos lindos, altura de saia variada. Claro, foi em 1966 que a minissaia chegou.
Calça "ankle pants" e a sandália gladiadora com vestido curtíssimo. Acessório indispensável? Óculos!

Sapatinhos? Fofíssimos! 
Editoriais: Cores e estampas que se perpetuam.
Botas e comprimentos que sobem e descem. Era tudo lindo, não? Eu acho.
Tirei a ideia dum editorial de uma revista contemporânea, um editorial que abordava essa época
Uma pequena amostra, pra não inundar mais com imagens. 




domingo, outubro 19, 2014

Filme

The love punch - Um plano brilhante, em português. Filme britânico com Emma Thompson e Pierce Brosnan. A Crítica caiu em cima, falando mal, mas quem disse que a crítica tem sempre razão? Pelo menos pra mim. Assisti e amei. Trata-se de uma comédia leve e bem divertida. Um casal divorciado que vive uma relação amigável, Richard, Pierce Brosnan, prestes a se aposentar vê todos os investimentos pra viver uma vida equilibrada financeiramente, de repente serem roubados por um rico e inescrupuloso industrial.
O casal se junta pra recuperar seus bens que foram transformados em um diamante valiosíssimo. Planos bolado pela ex- mulher, Kate, Emma Thompson. Os dois vão à França, assumem identidades de convidados que vêm de longe pra festa de casamento do vilão e lá ocorrem as situações mais inusitadas na busca pela pedra preciosa. Eles ainda contam com a ajuda de um casal de amigos. O casal classifica o plano como louco, insensato, estúpido, mas brilhante. Uma comédia romântica na França é sempre mais bonita, não? Os dois depois disso tudo tomam uma nova decisão. Bom, é um filme gostoso de se assistir, sem ligar pro que a crítica pensa. Final lindo, claro. Assiste, garanto que você vai gostar. Dica boa! Os lindos, no lançamento do filme.

quarta-feira, outubro 15, 2014

Presente!

Neste dia dos professores, eu quero falar dos meus tempos de estudante.  Um pouco de nostalgia, de um tempo que a gente não gosta, mas depois sabe que foram os melhores.

- Minha mãe me alfabetizou em casa. Já fui pra escolinha sabendo ler e escrever.

- Minha primeira vez na escola não foi uma boa experiência, apesar de ter acordado muito cedo e estar super ansiosa. Tão importante que lembro exatamente tudo! Achei a professora muito fria. Eu com meus sete aninhos, lembro demais.

- Sentava no fundão, não era pra bagunçar não, era era pra ficar imersa nas leituras (gibis) dentro do livro didático, mas fui uma boa menina, não dava trabalho e fazia minhas tarefas.

- Sempre na aula de leitura dos textos, quando a professora ficava olhando quem ela ia mandar ler em voz alta, morria de medo de ser indicada, porque era muito tímida.

- Quase não saía da sala na hora do recreio. Se era em escola nova, então, levava mais de mês pra sair, pedia pras colegas comprarem meu lanche.

- Uma negação nas exatas, chorava porque não aprendia aqueles problemas escabrosos de matemática com suas regras, depois o pesadelo aumentou com Física e Química. Todos os trabalhos e atividades avaliativas fazia com esmero para chegar na nota mínima e ficar aliviada.

- Escrevia nomes de personagens fictícios famosos na carteira. No dia seguinte, o aluno do turno oposto escrevia palavrões.

- Nunca gostei de exatas (de novo), nem de Ciências, depois Biologia, mas amava História e línguas, Inglês e Francês, estudei numa escola que oferecia Francês e aproveitei pra testar. Me dei bem.

- Desenhava bonequinhas e enfeitava os cabelos, fazia roupinhas. Não era nenhuma desenhista, mas ficavam bonitinhas. As colegas perto viam e começavam também, depois trocávamos e escolhíamos as mais bem feitinhas, tudo lá atrás, caladinhas.

- Adorava as aulas de Educação física, porque depois a gente ficava um tempão jogando bola. Acho que gostava muito dessas aulas por causa disso, mas os exercícios eram legais,

- Já na facul, nunca participava dos congressos em outras cidades, sempre fui mesmo antissocial.

- Hoje sou professora, sei o quanto está difícil o ofício, mas temos que seguir adiante. Que não seja somente financeiro, mas que haja respeito e reconhecimento.